segunda-feira, 30 de abril de 2012

No Dia do Trabalhador , sociedade cobra transparência no combate à corrupção.



O recente escândalo envolvendo a quadrilha do bicheiro Carlinhos Cachoeira, com envolvimento de políticos e funcionários públicos, reacendeu os questionamentos a respeito da postura que os trabalhadores devem ter em relação à administração pública e ao erário, alimentado, em grande parte, com os impostos pagos por milhões de assalariados brasileiros.

De acordo com Wadih Damous, presidente da OAB-RJ, a data deve dividir os cidadãos, que convivem ao mesmo tempo com o crescimento econômico e com seguidas denúncias de má conduta dos poderosos:

“Os trabalhadores brasileiros, nesse 1º de maio, devem estar experimentando sentimentos distintos. Por um lado, se beneficiam do crescimento econômico do país, que trouxe mais empregos, melhores salários e aumento do consumo; por outro, se indignam por verem parte do dinheiro que pagam em impostos - altos - ser desviado para a corrupção, ao invés de investimentos em saúde, segurança e educação”, explica.

“Os últimos acontecimentos que culminaram com a instalação da chamada "CPI do Cachoeira", mostram que os tentáculos do polvo da corrupção se estendem em diversas esferas da administração pública, dos poderes constituídos e do mundo empresarial, além de revelarem a promiscuidade de homens públicos com personagens de conduta duvidosa da iniciativa privada. Espera-se que a CPI não redunde em "pizza" e que constitua um duro golpe na corrupção endêmica existente na vida pública brasileira e leve à punição de corruptos e corruptores”, afirma.

Já o arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani João Tempesta, destaca que o trabalhador comum não deve ser tentado a cometer desvios éticos por conta do exemplo que recebe da classe política. Segundo ele, toda a sociedade é responsável por construir um país melhor:

"Diante dos desafios do mundo de hoje, aqueles trabalhadores que buscam o sustento de sua família devem continuar acreditando que o sustendo deve ser obtido com honestidade. Só assim o trabalhador tem bons frutos para ele e para o país. Só desta forma é possível construir um mundo melhor. Todos somos responsáveis pela construção de uma sociedade justa e completa. Só quem vive na justiça e na ética com seu trabalho está colaborando para isso".

Coordenador do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ), Cláudio Monteiro destaca que a cobrança da sociedade deve ser pela implantação de mecanismos de fiscalização à conduta do dinheiro público:

“O trabalhador tem que cobrar mais transparência. A gente enfrenta esse problema da corrupção, que é um dos problemas mais sérios que temos. Isso será resolvido com informação e transparência por parte dos governantes. Só com acesso às informações sobre a administração pública, tanto por parte da imprensa, quanto por parte do cidadão, é assim que evoluiremos para combater esses problemas”, sentenciou.

A Associação Brasileira de Imprensa também se manifestou sobre o assunto. Segundo o presidente da entidade, Maurício Azêdo, a indignação da sociedade com os corruptos pode ser uma barreira importante para impedir que políticos corruptos conquistem cargos:

“O conjunto da cidadania não pode perder a esperança de que as mazelas que o país apresenta atualmente sejam superadas, graças a iniciativas como a criação da CPI que investigará os negócios do Senhor Carlinhos Cachoeira e seus cúmplices enquistados no Legislativo e em outros cargos públicos. A sociedade está cansada de tanta corrupção e esse sentimento generalizado pode vir a se constituir em uma barreira para os aventureiros que encontram na vida pública formas de enriquecimento ilícito”, completa.( JB)


Cofres abertos para a Delta , mas fechados para salários mais dignos.


Num país onde o salário inicial de peças fundamentais para a segurança, como soldados, cabos, tenentes e bombeiros, está na faixa de R$ 1 mil a R$ 2.500; onde um professor de escola pública ganha cerca de R$ 1.700, e um de universidade, R$ 4 mil; onde médicos de hospitais públicos recebem em torno de R$ 1.600, escândalos como o da empresa Delta não apenas chocam, mas principalmente causam indignação.

Cifras milionárias saem dos cofres públicos com incrível facilidade, sem burocracia nem fiscalização.

Já para que o aumento salarial destas categorias seja aprovado, não faltam barreiras, alardes sobre as consequências para o orçamento do país e entraves jurídicos.

Levantamentos dão conta de que a Delta ganhou do governo, só de 2007 para cá, R$ 3 bilhões para obras do PAC.

Quanto custaria um salário mais digno para nossos trabalhadores?





Zoológico do Rio : descuido com os bichos e com o público.




Em pleno feriadão, uma visita ao Jardim Zoológico, na Quinta da Boa Vista, pode ser um ótimo programa para fazer com a criançada, certo? Não é bem assim. A ‘Blitz do Dia’ esteve no Zoo no último sábado e constatou que o passeio pode não ser tão agradável quanto se imagina. Foram constatados vários sinais de abandono do local, o que mostra um descuido tanto com os bichos quanto com o público.

Os problemas vão desde banheiros sujos e bebedouros enferrujados até bilheterias fechadas em dia de grande movimento. O que mais chama a atenção, no entanto, é o descaso na identificação dos animais, que são a atração do lugar. Além de alguns locais em que eles ficam, como a minifazenda, por exemplo, terem madeiras quebradas, há jaulas em que as placas estão totalmente deterioradas e algumas até em que elas nem existem mais.

                Moradia do Mangusto listrado tem placa de identificação mal fixada e água suja

"A gente não vêm ao zoológico só para ver os bichos. Esse também deveria ser um passeio didático. Mas sem placas identificando os animais, como vamos ensinar algo aos nossos filhos”, reclamou a professora Mônica Silva, 46 anos.

A sujeira dos banheiros químicos revoltou o motorista Gelson Alves, 30 anos, que estava com os filhos Carlos Danilo e Ana Cecília, e a mulher Raquel. “Minha esposa queria ir ao banheiro, mas está cheio de papel e com cheiro forte de urina. Sem condições de usar”, disse após abrir três cabines e verificar a mesma situação.

A ferrugem nos bebedouros foi outro motivo de descontentamento. “Prefiro comprar água a deixar meu filho beber ali”, disse a arquiteta Carmem Araújo, 38 anos. Ela advertiu o pequeno Pedro, 7, quando ele foi correndo atrás de água.

PROBLEMAS :

Banheiros químicos muito sujos;

Animais sem placa de identificação;

Placas quebradas, ilegíveis, mal fixadas, cobertas pelas plantas ou com ferrugem ;

Livrinho com explicações sobre os animais em péssimo estado;

Piso com buracos, o que pode ocasionar acidentes e quedas;

Estruturas de madeira quebradas nas áreas onde ficam alguns bichos;

Tomada com fios expostos em local de grande circulação;

Bebedouro preso à parede por um arame e com ferrugem;

Orelhões quebrados:

Bilheterias fechadas em pleno feriadão;

Água empoçada;

Riozoo promete melhorias;( Fonte : O Dia ).
Onde está a Prefeitura que , na propoganda televisiva se diz " sempre presente" ?

Cabral poderá depor em CPI.


A relação do governador Sérgio Cabral com o empresário Fernando Cavendish pode resultar na convocação para a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Câmara e do Senado que vai apurar a ligação do bicheiro Carlinhos Cachoeira com políticos e empresários. Um dos que defende que Cabral deve prestar depoimento é o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), membro titular da CPMI.

Ontem, o ex-governador e deputado federal Anthony Garotinho divulgou mais fotos e vídeos no seu blog que mostram Cabral e o empresário em passeios com a família na Europa.

Sérgio Côrtes, Cabral e Cavendish, com suas esposas, posam com amigos durante passeio em Mônaco

Acho que vai ser inevitável o seu depoimento. Será inclusive uma oportunidade para ele se explicar sobre essas denúncias, de que privilegiou a Delta por ser amigo do Fernando Cavendish, o dono da empresa”, afirmou Ferraço em entrevista à coluna Poder Online, do site iG.

O senador completa: “Não faria sentido chamarmos outros governadores acusados de envolvimento na teia da CPI, como o (Marconi) Perillo e o Agnelo (governadores de Goiás e Distrito Federal), e deixarmos o Sérgio Cabral de fora só porque pertence ao PMDB, ou porque governa o Rio. Pau que dá em Chico, dá em Francisco. Acho que esse deve ser, aliás, o lema da CPI”.

Desde sexta-feira, Garotinho tem divulgado em seu blog imagens de Cabral e integrantes do alto escalão do governo com Cavendish durante viagens a Europa. As fotos e gravações elevaram a temperatura na política do Rio.

Um dos vídeos mostra o governador, o empresário, e o secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, cantando parabéns para primeira-dama Adriana Ancelmo. O ambiente é semelhante ao do luxuoso restaurante Le Louis XV-Alain Ducasse, que fica em Monte Carlo, no Principado de Mônaco. O espaço tem uma adega de 400 mil garrafas.

Bicheiro deu R$ 30 mil a Túlio.

O ex-jogador do Botafogo Túlio Maravilha recebeu R$ 30 mil do bicheiro Carlinhos Cachoeira para sua campanha de deputado estadual em Goiás, em 2010. O atleta — hoje do Tanabi, de SP — estaria disposto a depor na CPI, segundo seu advogado Levy Leonardo. Uma das escutas da Polícia Federal na Operação Monte Carlo flagrou a conversa de Cachoeira com homem identificado como Santana, que pergunta o que Túlio quer. Em outra gravação, Santana comenta sobre os R$ 30 mil. A gravação aparece no inquérito da Procuradoria Geral da República, publicado no site Brasil 247. ( O Dia ).

domingo, 29 de abril de 2012

Título da Beija Flor em 2011 foi " mutreta".


Uma das muitas conversas de Carlinhos Cachoeira gravada pela Polícia Federal durante a Operação Monte Carlo revela que o título de 2011 da Beija Flor foi uma "mutreta", proveniente de um "tipo de negócio" entre o bicheiro goiano e a agremiação de samba do Rio de Janeiro. As informações constam em inquérito enviado ao Supremo Tribunal Federal, pela Procuradoria Geral da República.

Ano passado, a Beija-Flor de Nilópolis ganhou o campeonato com o enredo ‘Roberto Carlos: A Simplicidade de um Rei’.

A transcrição de escuta de ligação telefônica feita pela Polícia Federal entre Carlos Augusto de Almeida Ramos, o bicheiro Carlinhos Cachoeira, e um homem identificado apenas como Santana, mostra que ele tem um “tipo de negócio” com a escola. É o que diz o documento que registra a ligação telefônica realizada dia 09/03/2011, às 18h29. Era quarta-feira de Cinzas do carnaval de 2011. As informações e o documento foram divulgados pelo Blog 247.

“Falam sobre a vitória da BEIJA-FLOR, a escola de samba na qual CARLINHOS tem um tipo de ‘negócio’. CARLINHOS confirma que teve mutreta para obterem (sic) a vitória. Combinam de tomar café amanhã e chamar ELIAS que é jornalista”, diz a íntegra da descrição.

Gravação revela fraude na obtenção do título de 2011 da Beija Flor de NilópolisO resumo da gravação consta à página 15, no Volume 1, do Inquérito da Procuradoria Geral da República, no. 3.430, que investiga as ligações de Cachoeira, e que foi entregue à CPI do Cachoeira e à Comissão de Ética do Senado, e publicado pelo 247.

Novas imagens de Cabral com Cavendish no exterior.


O ex-governador Anthony Garotinho divulgou neste sábado, em seu blog, um vídeo gravado provavelmente em um luxuoso restaurante de Monte Carlo, onde aparece o governador Sérgio Cabral, o secretário de Saúde, Sérgio Côrtes, o dono da Delta Construções, Fernando Cavendish, e sua mulher Jordana, além de outro casal de amigos. No vídeo, Cabral insiste para Cavendish marcar logo o casamento com Jordana, que viria a falecer no trágico acidente de helicóptero na Bahia, no ano passado.

"Quando você quer casar Jordana?" pergunta Cabral.

"Dia 7 de dezembro. Tá fechado", disse Jordana.

"Então dá um beijo na boca vocês dois. Abra essa boca aí Jordana. Vai agora", acrescenta o governador.

As imagens, segundo o Blog do Garotinho, foram gravadas na véspera do aniversário de Adriana Ancelmo, mulher do governador. Em clima de galhofa, os participantes da mesa chegam a discutir uma data que permitisse, após as bodas, irem todos para Mangaratiba, onde Cabral e Cavendish têm mansões vizinhas no condomínio Portobelo.

Diante das informações veiculadas nesta sexta-feira pelo Jornal do Brasil, retransmitindo o Blog do Garotinho, e com as novas imagens publicadas neste sábado, a situação torna-se insustentável para o governador Sérgio Cabral, na parte ética. Não se pode admitir que, enquanto bombeiros, policiais e professores fazem greves por melhores salários, o governador do Estado e sua comitiva esbanjem dinheiro em Paris e Monte Carlo. A se confirmar a informação de que as autoridades fluminenses se hospedaram no Hotel Ritz, na capital francesa, durante dez dias, isso configura ainda mais uma atitude de deboche com a população sofrida do nosso estado. A diária mais barata no Hotel Ritz custa a 'bagatela' de R$ 1.100.

Dono da construtora Delta se diverte na Europa com integrantes do governo estadualNo entanto, as autoridades costumam ficar em suíte, cujo preço mínimo é de 1.350 euros, o equivalente a mais de R$ 3.300. Sabem o que isso representa? Simplesmente, o salário mensal de três professores ou de três policiais.

O vídeo divulgado neste sábado no Blog do Garotinho revela ainda mais a intimidade entre um governante e um empresário envolvido em escândalos, talvez os maiores da história contemporânea do Brasil. No mesmo momento em que os segmentos de saúde, educação e segurança reivindicam salários dignos para sustentar suas famílias, se for verdade a permanência de Cabral e de sua comitiva em um hotel cinco estrelas de Paris ou de Monte Carlo, onde a diária é três vezes mais cara que o auxílio recebido pelas autoridades para locomoção e hospedagem no estrangeiro, é mais um motivo de indignação. A pergunta é: por que tanta seriedade no orçamento com os trabalhadores, quando se trata de saúde, educação e segurança, quando a epidemia de dengue é uma realidade no estado, quando os alunos abandonam as escolas por falta de professores e os assaltos acontecem por falta de policiais? Por que tanta seriedade quando as autoridades esbanjam tanto dinheiro, colocando em dúvida se o salário delas dá para sustentar a sua permanência na Europa.

O JB acredita que as denúncias contidas no Blog do Garotinho não partem de inimigos políticos do governador, e sim de alguns familiares que, por sentirem dor forte e descaso dos responsáveis, estão sangrando.





sábado, 28 de abril de 2012

A festa na " boquinha na garrafa " das autoridades do Rio de Janeiro.


Essa história do " Estamos Juntos" parece o que é feito pelo Comando Vemelho e por outras facções criminosas. Tem cara de formação de quadrilha.Só que do Estado. Se observarmos , com cuidado , muita corrupção , muito roubo e muito superfaturamento , além de muita renúncia fiscal inexplicável  e muito enriquecimento ilícito  foram ungidos pela ideia do " estamos juntos '. O povo foi iludido por essa frase. O noticiário das últimas horas confirma o que estamos falando há muito tempo. Onde há muitas obras , há possibilidade de muita roubalheira. Se não há oposição forte , os ladrões ficam à vontade até para fazer farra com dinheiro público . E até para  " dancinha na boquinha da garrafa".

A polícia chegou ! Há um corre-corre de empresários da Delta e políticos do Rio ! O que houve ?



Por que, de repente, Fernando Cavendish, maior acionista da Delta Construções, largou a sua empresa, que tem contratos milionários com a Prefeitura do Rio, com o Governo do Estado do Rio, com obras do PAC e outras do Governo Federal?

Por que a Delta abandonou o consórcio responsável pela "reforma" do Maracanã, cujo valor já ultrapassa 1 bilhão de reais, há pouco mais de uma semana ?

Por que a Delta, agora, também abandona o consórcio responsável pelo projeto da Transcarioca - corredor expresso de ônibus que ligará a Barra à Ilha do Governador ? O povo quer saber ! Não é tudo muito esquisito ? Já viram empresa não querer dinheiro? Pois é...

Esses fatos estão cheirando muito mal. O corre-corre de Cavendish e da Delta parece ter o intuito de "proteger”' figuras como o governador e o prefeito do Rio. É a impressão que dá, posto que suas relações com os empresários Cavendish e Eike são muito íntimas, segundo noticiário.

Por que o PT e o PMDB não querem que as apurações da CPI cheguem ao Rio de Janeiro ? Esses partidos, orientados por Lula, desejam circunscrever as investigações ao centro-oeste brasileiro. Por que ? Os maiores contratos da Delta estão no Rio, e não, naquela região.

O mesmo corre-corre é efeito do escândalo desencadeado pela Operação Monte Carlo da Polícia Federal que tornou pública a relação do bicheiro Carlinhos Cachoeira com a Delta. No Rio, a empresa tem contratos com a Prefeitura ainda em andamento, como o do parque de Madureira (66 milhões de reais) e de melhorias viárias na zona oeste (63 milhões de reais). Segundo a Prefeitura, esses contratos não serão afetados. Ué, por que a Delta serve para uns e não para outros contratos ? Por que Ela fica sem os contratos mais caros ? Essa confusão deve ser esclarecida por membros da empresa Delta, pelo Prefeito e pelo Governador. Se não, haverá suspeita...

O projeto da Transcarioca está orçado em 798 milhões de reais (muito dinheiro, não é ? Apesar de, apenas 42 % serem da Empresa em tela, que motivo a levaria a abandonar o empreendimento do governo ? Empresário não gostar de muito dinheiro não pode ser. E o que pensam os demais acionistas ? Será que autoridades temerosas "pressionaram" a Delta ? Esse mistério tem que ser desvendado. E rapidamente; antes das eleições de outubro. Se não, ficará como o do Mensalão do PT..

Além de obras do PAC, a Delta ainda tem contratos no Rio com a Petrobrás, para obras que estão atrasadas na Reduc e no Comperj. A Delta é suspeita de superfaturamento nas obras do Arco Metropolitano, que ligará Itaguaí a Itaboraí. A tendência é que Ela saia das grandes obras, porque estamos em ano eleitoral e isso prejudicaria a reeleição de prefeitos e a eleição de alguns vereadores. Como serão bancadas essas campanhas eleitorais ? É a pergunta que não quer calar.

O Governador e o Prefeito, tão agressivos em suas falas, quando alguém parece prejudicar seus governos, seja em greves ou simples posicionamento contrário aos seus, agora se calam. Esse silêncio sepulcral dos dois nos deixa muito desconfiados com o desenrolar dos acontecimentos. Os mesmos que chamam professores, médicos e bombeiros de bandidos e vagabundos; que dizem ser "poesia" defender patrimônio cultural e a preservação ambiental estão caladinhos, caladinhos. Por quê ?

Nas décadas dos anos 50 e 60 do século passado, havia um político em São Paulo que tinha como "slogan" usado por seus adeptos: "Ele rouba, mas faz". Era uma alusão às inúmeras obras que ele executava, a despeito do elevado índice de corrupção, de superfaturamentos, de ausência de licitações e de renúncias fiscais em seu governo. Para defender sua administração corrupta, os seus correligionários usavam esse argumento: "rouba, mas faz". Será que, passados cerca de 60 anos, estamos vivendo coisa parecida ? Será que o desespero de Lula contra essa CPI tem as mesmas razões que motivam o desespero e o silêncio inaceitável das autoridades do Rio ?

Onde há muitas obras, há a possibilidade de muitos crimes contra o dinheiro público. Será que estão se aproveitando da Copa e das Olimpíadas para facilitar o enriquecimento ilícito ? Vamos aguardar ! Mas o corre-corre da Delta e de Cavendish e o silêncio das autoridades do Rio de Janeiro são estranhos. Cabe à Mídia e à Sociedade "cobrar" o aprofundamento das apurações, doe a quem doer. Essa pode ser a oportunidade única para reduzir o elevado patamar de corrupção e de roubalheira em nosso país. Se contarmos, apenas, com a CPI, pouco ou nada obteremos desse mar de lama. Esses deputados e senadores que comandam a CPI... melhor nem comentar...

Imagens de Cabral provocam indignação em segmentos sociais do Rio.


A divulgação de vídeos e fotos que mostram Sérgio Cabral e diversas autoridades estaduais em uma confraternização em Paris com o empresário Fernando Cavendish, dono da Delta Construções e acusado de envolvimento com a máfia do contraventor Carlinhos Cachoeira, provocou a revolta de representantes de movimentos sindicais do Rio de Janeiro. Nas imagens, registradas em 2009 e publicadas nesta sexta e sábado no blog do deputado federal Anthony Garotinho, o grupo aparece em clima de galhofa dançando no Hotel Ritz - um dos mais luxuosos do mundo. O secretário de Governo, Wilson Carlos, posa ao lado de uma Ferrari, cujo custo supera US$ 1 milhão. Segundo Garotinho, a festa foi bancada com dinheiro público.


A revelação reforça os crescentes questionamentos à administração estadual. Nos últimos três anos, as forças de segurança pública interromperam suas atividades duas vezes para reivindicar melhores salários e condições trabalhistas. Em 2010, ocasião da primeira paralisação, homens do Corpo de Bombeiros denunciaram que os guarda-vidas sequer recebiam protetores solares. Além disso, série de reportagens do Jornal do Brasil pôde verificar as péssimas condições em que se encontram alguns dos hospitais estaduais. Em entrevista concedida em fevereiro, o presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, Dr. Jorge Darze declarou que o "Rio tem uma política de saúde genocida".

Dono da construtora Delta se diverte na Europa com integrantes do governo estadualUm dos porta-vozes dos bombeiros grevistas durante a greve de 2010, o cabo Laércio Soares mostrou-se indignado com o que classificou como "demonstração de descaso" e disse que não sabe como explicar ao filho pequeno que estes são os representantes da população.

"É uma grande bagunça. Enquanto a Delta ganha milhões em obras, convivemos com uma epidemia de dengue e com um sistema de transporte público ineficiente e perigoso. O Sérgio Côrtes [secretário de Saúde] minimiza os problemas e o Júlio Lopes [de Transportes] não responde pelos crimes que cometeu", desabafa. Laércio se refere aos dois acidentes com os bondes de Santa Teresa que mataram sete pessoas e deixaram mais de 50 feridos em 2011.

Jorge Darze, por sua vez, voltou a fazer duras críticas a Cabral. Ele diz que os registros são uma demonstração do descumprimento das regras de administração pública, que impedem que os servidores - em especial o governador e sua equipe - tenham relações de proximidade com indivíduos que mantêm contrato de prestação de serviço com o estado.
 
Cabral e Cavendish dançam na porta do Hotel Ritz, enquanto os amigos caem na gargalhada "Não é a primeira vez que o Cabral e o Cavendish - que há algum tempo vêm desenvolvendo práticas no mínimos suspeitas - são flagrados juntos. Este episódio, supostamente custeado pelos recursos da população, deve ser rapidamente investigado. É uma falta de respeito. O Côrtes se diverte e os hospitais estaduais permanecem em situação crítica", protesta

Rio tem o pior trânsito do Brasil.


Duas horas. Tempo suficiente para assistir a um filme, frequentar um curso, arrumar a casa. Mas, segundo dados do Censo 2010 divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), esses preciosos 120 minutos são jogados fora, diariamente, pelas janelas de vans, trens, ônibus, carros e metrôs que conduzem milhões de trabalhadores do Rio de Janeiro.

O Rio é o estado onde as pessoas mais demoram para chegar ao trabalho. A pesquisa mostra que 23,1% dos trabalhadores fluminenses levam mais de uma hora no trajeto entre a casa e o emprego.

O dado é novo, mas não surpreende Ilda Barros, de 62 anos. Ela mora em Nova Iguaçu, na Baixada, e cuida de um idoso na Zona Sul do Rio. São duas e meia no trânsito, todos os dias.

— Preciso acordar às três ou quatro da manhã para chegar a tempo no emprego, às 7h — resume, num misto de cansaço e irritação.

Japeri, na Baixada, está no topo do ranking das cidades brasileiras onde, proporcio$, os trabalhadores gastam mais tempo de viagem. Lá, os moradores gastam, em média, duas horas para ir da residência ao trabalho.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Exclusivo ! Cabral , Cavendish e secretários dançam na " boquinha da garrafa" , em Paris !



27/04/2012 16:38


Exclusivo! Cabral, Cavendish e secretários dançam na “boquinha da garrafa” no Hotel Ritz, em Paris

Eu sei que as pessoas vão se revoltar, mas enquanto sofriam no trem, no metrô ou nas barcas lotadas sendo tratados como gado, ou então amargavam nas filas de uma UPA sem atendimento, Cabral e seus amigos viajavam pelo mundo em “vôos da alegria”, pagos com o dinheiro público, fazendo farras, esbanjando.


Vou mostrar nesta postagem apenas as primeiras imagens para vocês terem noção do escândalo. Cabral seus amigos e secretários zombam do povo, das instituições, se comportam como uma dessas delegações de ditadores de republiqueta que vão para Paris torrar o dinheiro que roubam de seus países, e que se esbaldam, sem nenhuns modos pagando micos inacreditáveis depois de encherem a cara.

Observem abaixo, em duas fotos tiradas dentro do restaurante do Hotel Ritz, de Paris, Sérgio Côrtes, Fernando Cavendish e o secretário Wilson Carlos, mais duas pessoas que não identifiquei com guardanapos amarrados na cabeça, embriagados, dançando a música da “Boquinha da Garrafa” (segundo o depoimento de quem me enviou o material), debochando, rindo às gargalhadas, escandalizando certamente os milionários que freqüentam o refinado ambiente, e ainda por cima causando uma péssima imagem dos brasileiros. É um deboche total!


Sérgio Côrtes, Fernando Cavendish e Wilson Carlos dançando na boquinha da garrafa na maior galhofa em Paris

Na foto abaixo, na porta do Hotel Ritz, Cabral está eufórico junto com Cavendish agachado, os dois ainda em brincando em clima da Dança da Boquinha da Garrafa. Cabral está em casa, em Paris, levando vida de rei, esbanjando o dinheiro do povo em vinhos e champanhes de mais de US$ 1.000, numa verdadeira orgia com o dinheiro público que escandaliza e com certeza vai causar indignação.


Em clima da "boquinha da garrafa", Cabral e Cavendish dançam na porta do Hotel Ritz, enquanto os amigos caem na gargalhada

Se vocês pensam que viram alguma coisa isso não é nada. Ainda hoje vamos mostrar Fernando Cavendish abraçado com Régis Fichtner, em Paris, o homem designado por Cabral para investigar os contratos da Delta com o Estado. Mais tarde vocês vão ver o secretário Wilson Carlos, na Avenida Champs Elysées, em Paris, posando para uma foto junto a uma Ferrari de US$ 1 milhão. E amanhã vocês poderão ver o vídeo onde Cabral combina com Fernando Cavendish na mesa de um bar, a data do casamento do empresário. Até domingo vamos mostrar aqui no blog o quanto Cabral e seus secretários são perdulários, irresponsáveis, nababescos. Aguardem! ( Fontes : Blog do Garotinho , Época e Veja )





Cabral e Cavendish - Reportagem da revista Época



Garotinho publica fotos de Cabral e Cavendish juntos


Ex-governador Anthony Garotinho, inimigo político de Cabral, divulga em seu blog imagens do primeiro escalão do governo fluminense em comemoração em Paris

                                       Sérgio Cabral e Fernando Cavendish em Paris (Reprodução)

A amizade entre o governador do Rio, Sérgio Cabral, e o empresário Fernando Cavendish, dono da Delta, não é segredo. Mas as suspeitas de favorecimento à construtora em contratos Brasil afora – e a gorda participação da empresa em projetos com dinheiro público no Rio – criam para Cabral um problemão diante da opinião pública. Inimigo político do governador, o deputado e ex-governador Anthony Garotinho publicou, há pouco, em seu blog, uma sequência de fotos do que seria uma comemoração em Paris, em que aparece, além de Cabral e Cavendish, o alto escalão do governo estadual.

O encontro aconteceu em 2009. As fotos foram tiradas durante uma comemoração. De lenço na cabeça, aparentemente no meio de uma coreografia, aparecem os secretários de Saúde, Sérgio Côrtes, de Governo, Wilson Carlos e outros animados convivas – todos de terno. O então secretário estadual de fazenda, Joaquim Levy, também posou para a câmera. O constrangimento não é só para o governador. O secretário de urbanismo do prefeito Eduardo Paes foi fotografado. No grupo de amigos, também estava Aloysio Neves Guedes, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Rio.

No início da noite, o Palácio Guanabara divulgou nota do governador Sérgio Cabral. De acordo com a nota, o encontro festivo aconteceu no Clube Inglês (e não no Hotel Ritz, como informou Garotinho em seu blog), para comemorar a condecoração recebida por Sérgio Cabral (e não o aniversário da primeira-dama Adriana Anselmo), durante viagem oficial à França. Diz a nota:

"Em missão oficial à França realizada nos dias 14 e 15 de setembro de 2009, o governador Sérgio Cabral participou do lançamento do ‘Guia Verde Michelin Rio de Janeiro’, na Embaixada do Brasil em Paris; participou de encontros de trabalho para a então campanha pelas Olimpíadas de 2016 no Rio; e fez palestra na Câmara de Comércio Brasil-França para investidores franceses. Entre os seus compromissos oficiais, o governador recebeu, no dia 14, a condecoração máxima do Governo da França: a Légion d’Honneur, no Senado daquele país. Coube ao Presidente do Senado francês, Gerard Larcher, fazer a entrega.

Após a solenidade, o Barão francês Gerard de Waldner _ casado com a brasileira Sílvia Amélia de Waldner, chamou ao Clube Inglês convidados dele em homenagem ao governador e à condecoração recebida. Estavam presentes, secretários de estado, empresários brasileiros; o Presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman; empresários portugueses, como Antonio Pereira Coutinho; empresários franceses, como Thierry Peugeot, e Martin Bouygues".

Garotinho promete mais munição contra Cabral – pelo menos no que diz respeito a constrangimento público. Pouco depois do primeiro lote de imagens, o ex-governador publicou foto em que aparecem o secretário de Transportes, Júlio Lopes, abraçado a Cavendish e ao secretário-chefe da Casa Civil, Régis Fichtner - encarregado de investigar se há irregularidades nos contratos com a Delta. Na mesma viagem, parte do grupo assistiu ao show da banda U2 em Paris.

Cabral evitou investigação da Delta no Rio.



Deputado apresentou pedido de CPI antes da Operação Monte Carlo, mas foi ignorado

Os desdobramentos da Operação Monte Carlo, que desmontou a quadrilha do contraventor Carlinhos Cachoeira, acertaram em cheio a Delta, uma das principais empreiteiras do país. Líder em projetos contratados pelo PAC, a empreiteira recebeu R$ 2,9 bilhões da União e R$ 1,4 bilhão do governo do estado do Rio de Janeiro desde 2007. De acordo com as gravações da Polícia Federal, Cachoeira teria envolvimento direto com a Delta, agindo como lobista da empresa junto a agentes públicos.

A bomba pegou muita gente de surpresa, mas não quem acompanha o cenário político fluminense. Desde o ano passado, parlamentares de oposição na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) tentam emplacar uma investigação da empreiteira, mas sempre acabaram vencidos pela ampla maioria da bancada governista. Coincidentemente, Sérgio Cabral é amigo próximo do dono da Delta, Fernando Cavendish, e foi justamente durante o seu mandato que a empresa disparou como uma das principais parceiras do governo estadual.

“A Alerj não blindou apenas os pedidos de investigação da Delta. Ela blinda o Cabral e seu governo de qualquer investigação parlamentar, o que fere um dos principais deveres do Poder Legislativo”, critica o deputado estadual Paulo Ramos (PDT). Responsável pelo pedido de investigação da Delta em 2011, ele desqualificou as medidas do governador contra a Delta. “Quando ele foi flagrado junto com o Cavendish, em Trancoso (BA), criou uma comissão de ética formada por seus aliados. Agora que a Delta foi flagrada nesse escândalo com o Cachoeira, novamente colocou pessoas ligadas a ele para investigar os contratos. Não há isenção alguma”.

Pedido de CPI do ano passado mostra que deputados já suspeitavam da Delta, de Fernando Cavendish .O incidente em Trancoso, ao qual o deputado se refere, foi a queda de um helicóptero que levava parentes de Sérgio Cabral e Fernando Cavendish para comemorar o aniversário do empreiteiro, em junho do ano passado. A tragédia expôs a proximidade do governador com o dono de uma das empresas mais beneficiadas pelos contratos estaduais e foi o pivô de uma série de críticas e pedidos de investigação que não foram levados adiante. Com ampla maioria na Alerj, o PMDB e seus aliados puseram panos quentes no assunto.

“Essas revelações não nos surpreendem nem um pouco. Toesa, Facility, Delta. Todas estas grandes empresas parceiras do governo do estado e envolvidas em escândalos de corrupção já foram denunciadas na Alerj, mas nada segue adiante”, explica a deputada Janira Roca (Psol). “E é importante entender com que tipo de empresas estamos lidando. Não são empresas interessadas em corromper um deputado ou um vereador, eles vão diretamente nas pessoas que batem o martelo, integrantes do Poder Executivo. E são sempre as mesmas empresas, integrantes de grandes consórcios, como no caso da Transcarioca, do Comperj, o Maracanã”.

Para o deputado Luiz Paulo (PSDB), blindagem da Alerj prejudicou próprio governo .Para o parlamentar, estas denúncias só são levadas adiante quando há grande comoção popular ou pressão da imprensa. Do contrário, elas caem no esquecimento.

“A própria CPI das Milícias, proposta pelo Marcelo Freixo (Psol), foi ignorada durante muito tempo. Ela só foi tocada quando uma série de eventos colocaram as milícias em evidência e não havia mais como segurar a investigação”, recorda Janira. Para ela, uma investigação profunda nos contratos do governo do estado com empreiteiras seria revelador. “O Cachoeira é pinto perto do que acontece aqui”.

Investigações ignoradas ferem Constituição, diz deputado.

O Cachoeira é pinto para o que acontece no Rio de Janeiro .Graças às revelações da Operação Monte Carlo e da CPI montada em Brasília para apurar o envolvimento de políticos com Carlinhos Cachoeira, foi cogitada a convocação de Sérgio Cabral para esclarecer suas relações com Fernando Cavendish. Enquanto o PMDB manobra para que a lama não resvale no governador, o deputado Luiz Paulo (PSDB) aponta que um governo mais transparente beneficiaria até o próprio Cabral.

“Se essas investigações fossem autorizadas anteriormente, provavelmente essa relação promíscua do poder público com as empreiteiras não chegasse ao ponto em que chegou. Eu costumo dizer que a oposição é a maior aliada do governo. Quando ele é blindado pelo Poder Legislativo, no caso, a Alerj, o governo não consegue corrigir seus próprios erros”, disse o deputado, que apontou as contradições do governo estadual desde a explosão do escândalo da Delta. “Nós sempre pedimos a auditoria dos contratos da Delta e sempre fomos negados. Agora, ele (Cabral) está iniciando uma auditoria”.

Segundo o deputado Paulo Ramos, a resistência do governo em permitir as investigações parlamentares, além do viés político, beira a ilegalidade.

“Alguns pedidos de CPI aqui na Alerj tiveram o número de assinaturas necessárias para ter seus trabalhos iniciados, mas nunca foram constituídas. Isso fere a Constituição Federal”, ressalta Paulo Ramos, que vê a Delta no mesmo patamar de empresas como Odebrecht, Queiroz Galvão e Camargo Corrêa. “Todas essas grandes empreiteiras foram flagradas como corruptoras no escândalo dos Anões do Orçamento. Eu era deputado federal em Brasília naquela ocasião e me recordo muito bem. O estilo é o mesmo.”                       ( JB , 27/4/12)



quinta-feira, 26 de abril de 2012

A burrice dos que se dizem apolíticos e a virtude dos que lutam !



Pau que nasce torto não tem jeito , morre torto ! Os incomodados que se mudem ! Isso não tem solução ! Política não se discute !

Essas frases velhas e desmoralizadas pela história dos países em que a cidadania e a democracia caminham lado a lado foram produzidas , ao longo do tempo , pelos detentores do poder nas sociedades de baixa politização para manter o " status quo" e se sedimentaram nas mentes de alguns desavisados ou pouco atentos. Dizem que uma mentira muito repetida tende a ser vista como verdade . É , pode até ser. Depende dos olhos , dos ouvidos e da mente de cada um. Já houve uma frase que marcou uma época em nosso país , quando alguns se insurgiram contra o domínio vigente : " Brasil , ame-o ou deixe-o ! " Não é uma frase pobre , embora cheia de cunho político ditatorial ? Significava que , se você estivesse contra as atitudes dos déspotas de então , não deveria questionar , mas abandonar o país para não incomodar os governantes . Vale dizer que não poderia haver oposição no Brasil. Eles não percebiam que um governo é mais forte e mais eficiente quando tem uma oposição forte e atuante que o acompanha e fiscaliza. Mas esse entendimento não cabe aos déspotas nem aos corruptos. Hoje , são os corruptos que rejeitam a existência de oposição.

Nessas condições , quem vive mal continua mal e deve assim permanecer , sem reclamar , sem incomodar , sem ser antipático .Os que se beneficiam das amarguras da maior parcela da população e fomentam o desinteresse por movimentos reivindicatórios devem continuar se locupletando desse estado de coisas , dessa pasmaceira da sociedade , dessa letargia coletiva . Promovendo a apatia e a inércia pela política , os beneficiários das grandes transações se sentem seguros para implementar mais safadeza contra os cofres públicos e se apossam do Poder Público subrrepticiamente. Contam com o apoio de parte da mídia , através de programas humorísticos aparentemente inocentes e de telejornais tecnicamente bem montados para incutir em nossa mente que a roubalheira e a corrupção são características do nosso povo e que , por isso , não serão condenadas depois de se passarem duas semanas . Segundo eles, todo brasileiro é potencialmente corrupto e ladrão e gostaria de estar no lugar dos denunciados , já que , embora temporariamente criticados , não serão punidos e poderão usufruir dos frutos de seus crimes. Isso não é verdade , como não é verdade dizer-se que todo político é ladrão. Já dizia Nélson Rodrigues :> " Toda unanimidade é burra !" . Significa que toda generalização , se não for burra , corre o risco de cometer injustiça.

O " sistema do mal " implantado no Rio e no Brasil como um todo usa o financiamento de campanha eleitoral como um dos meios de ter o político com o " rabo preso". Depois de eleitos , membros do Executivo ( prefeitos , governadores e Presidente da República ) e membros do Legislativo ( vereadores , deputados e senadores ) não estarão mais com suas convicções de bem coletivo , se é que as tinham , pois terão que retribuir o que receberam dos seus " patrões". Eles não terão mais independência ; não pensarão por si. Eles obedecerão ! Surgem , desse modo , os tráficos de influência , as informações privilegiadas , os superfaturamentos em compras de insumos e em obras , as renúncias fiscais ,as expedições de licenças proibitivas e outros expedientes facilitadores do enriquecimento ilícito de todos os envolvidos , aumentando o seu patrimônio exponencialmente à custa dos inúmeros impostos abusivos que pagamos.

Em conluio com os maus empresários , os maus governantes combinam o atraso no início ou na execução de obras ou de compras para hospitais , escolas públicas e para outros setores da administração para justificar as " malditas" situações emergenciais que serão motivo de dispensas de licitação e de controle. A corrupção encontra terreno fértil , prolifera e contamina todos os mecanismos de funcionamento financeiro dos órgãos públicos. E o nosso dinheiro é transferido do nosso bolso para as contas bancárias desses delinquentes de terno e gravata..

Quem são os responsáveis por esse quadro deplorável ? De um lado , os chefes do poder executivo que , por si , ou por seus secretários ou ministros , ordenam despesas. De outro , os que deveriam fiscalizar , como vereadores e deputados. Mas , quem escolhe esses elementos que se corrompem ? Nós. Como é feita essa escolha ? Através do voto. Ora , então , um cidadão eleitor que abre mão de escolher bem , de se informar sobre política , de debater e questionar os maus políticos é conivente com esses crimes. Nas sociedades democráticas , o voto é o maior símbolo da cidadania . É a forma legítima , ordeira e pacífica de você reprovar o político ladrão ou corrupto e apostar nas mudanças , ou , ainda , premiar os bons. Se você se diz apolítico e disso se orgulha , ainda que indiretamente , você é responsável pelo mau funcionamento dos hospitais , das escolas e do trânsito , pela indústria das multas , pelo desperdício do dinheiro público que afeta a todos , inclusive a você. Ao dizer que é apolítico e se abster , você faz o jogo deles. E eles dão gargalhadas de sua ignorância política, porque você , sem saber , é o eleitor deles , é o politizado ao sabor deles.

Os que denunciam e lutam , usando os meios disponíveis são vistos como derrotistas ou mal humorados . Há até os imbecis que chegam a vociferar : " Esses caras reclamam , mas não resolvem. Falar é fácil ; quero ver fazer ".É evidente que os que estão apontando os erros ou os roubos não estão em condições para resolver. Não lhes cabe , enquanto fora do poder , impedir a delinquência ou o erro. Seu papel é esse: conscientizar os que não acompanham as ações do Executivo e do Legislativo. E devem ser aplaudidos pela sociedade. Líderes como Martin Luther King , Mahatma Ghandi e Nelson Mandela lutaram em sua época contra os absurdos em seus países e ficaram na memória de todos nós. Você não precisa ser um deles , mas , no seu limite , pode fazer a sua parte e não ser um omisso ou idiota , manipulável pelas informações tendenciosas dos que desejam a sua inécia e se perpetuar no Poder.

Em outubro desse ano , vamos escolher prefeito e vereadores. Tome cuidado ; analise ; pesquise ; informe-se a respeito da história de vida de cada um postulante. Não venda o seu voto ; não se abstenha das discussões e do voto e não aceite benesses. A instalação de quebra-mola e de pontos de luz ; a colocação de asfalto ; a poda de árvores ; o tapa-buracos são obrigações de prefeito , e não , ações de um legislador ( vereador ou deputado). Aliás , VOCÊ JÁ PAGOU PARA TER ESSES SERVIÇOS. Não é favor algum .. Pense ! Para , depois , não reclamar ou colocar a culpa na POLÍTICA que não deve pagar pelos seus erros de escolha ou de omissão.,

 

A falência múltipla dos órgãos públicos.


Os corruptos ajudam-nos a descobrir o País. Há sete anos, Roberto Jefferson nos abriu a cortina do mensalão. Agora, com a dupla personalidade de Demóstenes Torres, descortinamos rios e florestas e a imensa paisagem de Cachoeira. Jefferson teve uma importância ideológica.

Cachoeira é uma inovação sociológica. Cachoeira é uma aula magna de ciência política sobre o Sistema do País. Vamos aprender muito com essa crise. É um esplendoroso universo de fatos, de gestos, de caras, de palavras que eclodiram diante de nossos olhos nas últimas semanas. Meu Deus, que riqueza, que profusão de cores e ritmos em nossa consciência política! Que fartura de novidades da sordidez social, tão fecunda quanto a beleza de nossas matas, cachoeiras, várzeas e flores.

Roberto Jefferson denunciou os bolchevistas no poder, os corruptos que roubavam por "bons motivos", pelo "bem do povo", na base dos "fins que justificam os meios". E, assim, defenestrou a gangue de netinhos de Lenin que cercavam o Lula que, com sua imensa sorte, se livrou dos mandachuvas que o dominavam. Cachoeira é uma alegoria viva do patrimonialismo, a desgraça secular que devasta a história de nosso País. Sarney também seria 'didático', mas nada gruda nele, em seu terno de 'teflon'; no entanto, quem estudasse sua vida entenderia o retrato perfeito do atraso brasileiro dos últimos 50 anos.

Cachoeira é a verdade brasileira explícita, é o retrato do adultério permanente entre a coisa pública e privada, aperfeiçoado nos últimos dez anos, graças à maior invenção de Lula: a 'ingovernabilidade'.

Cachoeira é um acidente que rompeu a lisa aparência da 'normalidade' oficial do País. Sempre soubemos que os negócios entre governo e iniciativa privada vêm envenenados pelas eternas malandragens: invenção de despesas inúteis (como as lanchas do Ministério da Pesca), superfaturamento de compras, divisão de propinas, enfrentamento descarado de flagrantes, porque perder a dignidade vale a pena, se a grana for boa, cabeça erguida negando tudo, uns meses de humilhações ignoradas pelo cinismo e pela confiança de que a Justiça cega, surda e muda vai salvá-los. De resto, com a grana na 'cumbuca', as feridas cicatrizam logo.

O governo do PT desmoralizou o escândalo e Cachoeira é o monumento que Lula esculpiu. Lula inventou a ingovernabilidade em seu proveito pessoal. Não foi nem por estratégia política por um fim 'maior' - foi só para ele.

Achávamos a corrupção uma exceção, um pecado, mas hoje vemos que o PT transformou a corrupção em uma forma de governo, em um instrumento de trabalho. A corrupção pública e a privada é muito mais grave e lesiva que o tráfico de drogas.

Lula teve a esperteza de usar nossa anomalia secular em projeto de governo. Essa foi a realização mais profunda do governo Lula: o escancaramento didático do patrimonialismo burguês e o desenho de um novo e 'peronista' patrimonialismo de Estado.

Quando o paladino da moralidade Demóstenes ficou nu, foi uma mão na roda para dezenas de ladrões que moram no Congresso: "Se ele também rouba, vamos usá-lo como um Omo, um sabão em pó para nos lavar, vamos nos esconder atrás dele, vamos expor nosso escândalo por seu comportamento e, assim, seremos esquecidos!"

Os maiores assaltantes se horrorizaram, com boquinha de nojo e olhos em alvo: "Meu Deus... como ele pôde fazer isso?..."

Usam-no como um oportuno bode expiatório, mas ele é mais um 'boi de piranha' tardio, que vai na frente para a boiada se lavar atrás.

Demóstenes foi uma isca. O PT inventou a isca e foi o primeiro a mordê-la. "Otimo!" - berrou o famoso estalinista Rui Falcão - "Agora vamos revelar a farsa do mensalão!" - no mesmo tom em que o assassino iraniano disse que não houve holocausto. "Não houve o mensalão; foi a mídia que inventou, porque está comprada pela oposição!" Os neototalitários não desistem da repressão à imprensa democrática...

E foi o Lula que estimulou a CPI, mesmo prejudicando o governo de Dilma, que ele usa como faxineira também das performances midiáticas que cometeu em seu governo. Dilma está aborrecida. Ela não concorda que as investigações possam servir para que o Partido se vingue dos meios de comunicação e não quer paralisar o Congresso. Mas Lula não liga. "Ela que se vire..." - ele pensa em seu egoísmo, secretamente, até querendo que ela se dane, para ele voltar em 14. Agora, todo mundo está com medo, além da presidente. O PT está receoso - talvez vagamente arrependido. Pode voltar tudo: aloprados, caixas 2 falsas, a volta de Jefferson, Celso Daniel, tantas coisinhas miúdas... A CPI é um poço sem fundo. O PMDB, liderado pelo comandante do atraso Sarney, também está com medo. A velha raposa foi contra, pois sabe que merda não tem bússola e pode espirrar neles. Vejam o pânico de presidir o Conselho de Ética, conselho que tem membros com graves problema na Justiça. Se bem que é maravilhoso o povo saber que Renan, Juca, Humberto Alves, Gim Argello, Collor serão os 'catões', os puros defensores da decência... Não é sublime tudo isso? Nunca antes, em nossa história, alianças tão espúrias tiveram o condão de nos ensinar tanto sobre o Brasil. A cada dia nos tornamos mais sábios, mais cultos sobre essa grande chácara de oligarquias. E eu estou otimista. Acho que tudo que ocorre vai nos ensinar muito. Há qualquer coisa de novo nessa imundície. O mundo atual demanda um pouco mais de decência política. Cachoeira, Jefferson, Durval Barbosa nos ensinam muito. Estamos progredindo, pois aparece mais a secular engrenagem latrinária que funciona abaixo dos esgotos da pátria. A verdade está nos intestinos da política.

Mas, o País é tão frágil, tão dependente de acasos, que vivemos com o suspense do julgamento do mensalão pelo STF.

Se o ministro Ricardo Lewandowski não terminar sua lenta leitura do processo, nada acontecerá e a Justiça estará desmoralizada para sempre. Arnaldo Jabor - O Estado de São paulo.





O corre-corre da Delta e seus ' parceiros" continua !

26/04/2012 16h44 - Atualizado em 26/04/2012 17h24


Delta deixa consórcio da Transcarioca, diz Prefeitura do Rio. Segundo assessoria, prefeitura foi comunicada de saída nesta quinta. A Empresa é investigada por suposto vínculo com bicheiro Carlinhos Cachoeira.

A construtora Delta está deixando o consórcio Transcarioca BRT, segundo informou na tarde desta quinta-feira (26) a Prefeitura do Rio de Janeiro. O consórcio é responsável pela obra do corredor expresso Transcarioca, futura ligação entre a Barra da Tijuca e o Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, o Galeão, na Ilha do Governador. Na semana passada, a empresa já havia deixado o consórcio responsável pela reforma do Maracanã.

A Delta é a sexta maior empreiteira do Brasil e está envolvida em denúncias de favorecimento ao bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo. Cachoeira é é apontado como o chefe de uma quadrilha de jogo ilegal em Goiás e responsável pela montagem de uma rede de corrupção que envolveria governantes, parlamentares e empresários.

Em nota, a Prefeitura do Rio afirma que "foi comunicada hoje [quinta, 26] pelo consórcio Transcarioca BRT, formado pelas empresas Andrade Gutierrez e Delta, de que a Delta está deixando o consórcio - que é responsável pela construção do trecho do BRT Transcarioca entre a Barra da Tijuca e a Penha. Conforme estabelecido em contrato, a empresa Andrade Gutierrez assume todas as responsabilidades pela obras sem causar qualquer prejuízo ao município. O andamento das obras segue normalmente e o cronograma está mantido."

Contratos de R$ 1 bilhão com o Rio

A Delta tem quatro grandes contratos com a Prefeitura do Rio, incluindo estradas, viadutos, melhorias em favela, corredor de ônibus, conforme mostrou o RJTV. O valor é de R$ 1.027.640.154. A construtora trabalha na urbanização da comunidade Chico Mendes, na Pavuna, no subúrbio do Rio, na criação do Parque Madureira e em um conjunto de obras na Zona Oeste. Só com a Transcarioca, o contrato era de quase R$ 798,4 milhões.

Na tarde desta quarta (25), o prefeito do Rio, Eduardo Paes, afirmou que não tinha informações de que a Delta deixaria a Transcarioca. "Não há nenhuma informação oficial [sobre a saída]", afirmou Paes. Na ocasião, o prefeito disse ainda que caso a Delta saísse do consórcio que toca a obra, a Andrade Gutierrez assumiria a construção, conforme prevê contrato da prefeitura com as empreiteiras. Ele disse ainda que não há nenhum tipo de sindicância aberta para apurar contratos com a Delta no Rio.

O G1 entrou em contato com a Delta, que ficou de se posicionar sobre a saída da obra. Ao deixar o consórcio do Maracanã - contrato firmado com o estado -, a Delta alegou falta de condições financeiras para continuar integrando o consórcio responsável pela obra do Maracanã, orçada em R$ 859 milhões. O consórcio responsável pelas obras no estádio era formado por três empresas: a Odebrecht Infraestrutura tem 49% de participação; a Andrade Gutierrez, 21%, e a Delta Construtora, 30%.

STF E STJ Covis de bandidos de Toga com a falência definitiva do poder Judiciário ?( Por Geraldo Almendra)



Peço a todos os verdadeiros patriotas que retransmitam sem limites esta crônica para suas listas e sites de relacionamento para que todos se conscientizem da verdadeira realidade jurídica vigente no país. Até quando vamos suportar sermos tratados como palhaços e imbecis do Circo do Retirante Pinóquio? Até quando vamos permitir que esses canalhas da política enriqueçam roubando descaradamente o dinheiro dos contribuintes?

Até quando vamos permitir que esses pulhas da política ganhem salários, benefícios e mordomias milionárias enquanto morrem mais de 170 cidadãos por dia em todo o país por pura irresponsabilidade social desse espúrio Poder Público que vive de mentiras plantadas por um midia marrom nojenta cúmplice desses canalhas?

Até quando esses calhordas esclarecidos pertencentes às classes dos artistas, da academia, do jornalismo marrom e demais grupos organizados civis vão continuar cúmplices dessa corja que está no poder?

STF E STJ COVIS DE BANDIDOS DE TOGA COM A FALÊNCIA DEFINITIVA DO PODER JUDICIÁRIO?

Geraldo Almendra 23.04.2012
Divulgada na Internet uma suposta ordem do STF para que a Polícia Federal lhe entregasse toda a documentação das operações Monte Carlo (Demóstenes vrs Cachoeira) e Las Vegas (Cachoeira vrs Cúpula do Judiciário).

A mesma fonte denuncia que nos bastidores do Covil de Bandidos – poder público – corre a informação do envolvimento, em maior ou menor grau, de nove ministros do STJ e quatro do STF com esses escândalos de corrupção.

O fato de supostamente e inexplicavelmente o STF ter ordenado que não ficasse nenhuma cópia de qualquer documento de posse da Polícia Federal (me engana que eu gosto) agrava e muito que as denúncias possam ter embasamento real. Esse cenário institucional – embasamento real – poderá definir a falência definitiva do Poder Judiciário no país.

Diante dessa suposição, se comprovada totalmente ou parcialmente verdadeira, qual será a reação da sociedade? Qual será a reação das Forças Armadas diante da suposta falência do Poder Judiciário? Qual
será a reação da banda boa do Poder Judiciário e da Polícia Federal, absolutamente desqualificada por essa ordem do STF que é totalmente ilegal e denuncia um hediondo abuso de poder porque não foi submetida previamente ao seu plenário para ser votada?

Estamos diante – se comprovado – de um gravíssimo cenário de desordem institucional que poderá ter três consequências prováveis: - Um abafa geral o que significaria a formalização pública do Regime Fascista Civil com o aval das Forças Armadas e a desqualificação formal do Poder Judiciário como defensor da ordem legal no país, ficando ainda absolutamente comprovada que o termo Covil de Bandidos é a única qualificação possível para o poder público;

- Uma dura reação nascida no próprio poder público para promover a destituição desse Regime Fascista Civil disfarçado, com o apoio da sociedade, da Polícia Federal e das Polícias Civil, Militar e com total de oficiais das Forças Armadas - não vendidos ao poder executivo - e a convocação de novas eleições gerais;

 - Uma reação social – podendo descambar para uma guerra civil com a convocação das milícias petistas pela presidente para saírem às ruas – em larga escala com o apoio de instituições civis e das Forças    Armadas, impondo através de uma junta civil-militar a destituição do desgoverno petista e a destituição do Congresso Nacional, com a prisão de todos os envolvidos e o consequente cancelamento de qualquer foro
privilegiado,

- Será que a Sra. Hillary Clinton está acompanhando pela mídia a comprovação do teor da sua absurda idiotice ao declarar em entrevista coletiva que o governo brasileiro estaria dando um exemplo para o
mundo sobre o combate à corrupção?

- Será que as malas e os passaportes italianos já estão prontos para partir levando de lembrança o crucifixo do gabinete presidencial?

Geraldo Almendra 23/abril/2012

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Desabafo de uma moradora da Praça Seca !

Boa noite!! Embora para mim em especial não está sendo, gostaria de fazer uma denúncia grave a respeito da sinalização de trânsito do bairro em moro, Praça Seca em Jacarepaguá. Tenho feito já há algum tempo reclamações sobre isso inclusive já liguei para a polícia militar e a CET Rio mas sem respóstas. A prefeitura colocou alguns quebra molas em algumas ruas de reduto eleitoral de nosso prefeito p...orém os cruzamentos onde circula ônibus não existe sinalização onde principalmente o pedestre seja respeitado, já que o motorista carioca não o faz. Hj infelizmente decorrente dessa falta perdemos uma criança de 12 anos aluno do colégio Adventista na esquina das ruas Quiririm e Luiz Beltrão atropelado por um ônibus da linha 678, que não diferente dos demais motoristas, passou pelo cruzamento em alta velocidade para uma esquina, em horário de saída escolar ou seja 17:30 e para piorar a situação o corpo só foi retirado as 19:30. Ninguém aguenta mais tanto desrespeito!!!!! Mas a nossa dor é só nossa não é mesmo?!!


Muitas obras tem sido realizadas nessa áreas q na minha opinião não são prioritárias nem tampouco resolvem os nossos reais problemas. Na rua Cândido Benício por exemplo nos sinas não existem temporizadores para pedestre e as faixas não são respeitadas pelos motoristas. Mais que uma denúncia é um desabafo e um apelo para que renove com urgência a sinalização do meu bairro pois não aguentamos mais tantos acidentes que poderiam ser evitados. O povo da Pça Seca aguarda uma solução pois amamos a vida!!!

Fraude sem querer? Aconteceu em escola no Rio de Janeiro .




Diretora aplica prova do Saerjinho um dia antes do previsto em colégio estadual de Coelho Neto


                                              Alunos durante a prova do Saerjinho

As provas do Saerjinho, sistema de avaliação bimestral da Secretaria estadual de Educação, que serão aplicadas hoje e amanhã nas escolas estaduais, chegaram às mãos de alguns estudantes antes da hora marcada.

A denúncia foi feita ao Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe), por professores do Colégio Estadual Marechal João Baptista de Mattos, em Coelho Neto, onde a aplicação da avaliação teria sido iniciada equivocadamente, ontem, em várias turmas.

— Alguns alunos começaram até a fazer as provas — relata Jorge Cesar Gomes Maia, Diretor da Regional 2 do Sepe, que engloba a área de Coelho Neto.

A Secretaria de Educação admitiu a falha, mas alegou que os exames foram distribuídos em apenas uma turma do colégio, sendo retirados logo em seguida pelo diretor geral da unidade, que percebeu o equívoco. "As provas foram recolhidas a tempo", informou a nota da secretaria, que acrescentou ainda que a falha foi cometida pela diretora adjunta da escola, numa tentativa de "agilizar o processo".

A avaliação à qual os alunos serão submetidos, hoje, não sofreu nenhuma modificação. O Sepe discorda da medida e alega que houve quebra de sigilo. Para a secretaria, não houve prejuízo aos alunos e as provas serão aplicadas normalmente, como estava previsto.

Hoje, representantes dos sindicatos irão até o Colégio Marechal João Baptista de Mattos para ouvir alunos e professores. O Sepe cogita pedir a anulação da avaliação. O Saerjinho tem como objetivo identificar as deficiências no aprendizado dos alunos da rede. Neste ano, serão aplicadas provas de língua portuguesa, matemática, ciência, química, física e biologia. ( Extra )




Êpa , o corre-corre começou !

Fernando Cavendish deixa comando da Delta


O empresário Fernando Cavendish renunciou ainda há pouco ao comando da construtora Delta. Ele deixa a presidência do conselho de administração da empresa, cargo que passará a ser ocupado pelo engenheiro Carlos Alberto Verdini, que, aos 65 anos, já pertenceu aos quadros da Camargo Corrêa e da Queiroz Galvão. Além de Cavendish, será substituído também o diretor-executivo da empreiteira, Carlos Pacheco. Até agora o principal executivo da Delta, Pacheco será sucedido por Ediano Bittencourt. As mudanças são uma reação da empresa às denúncias de seu envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Foram anunciadas ao mercado há poucos minutos e serão comunicadas ao comando da CPI do Cachoeira ainda nesta tarde.




Romário alfineta Cabral.



CPMI do Cachoeira: Romário alfineta Cabral por envolvimento com a Delta


A CPMI do Cachoeira, que começou com o intuito de investigar o envolvimento do senador Demóstenes Torres (Sem partido-GO) e de outros parlamentares com o contraventor Carlinhos Cachoeira, começa a gerar constrangimentos também para o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

Tudo por conta de sua amizade muito conhecida com o dono da Delta Construções, um dos pivôs do escândalo, Fernando Cavendish. Cabral tem recebido ataques de todos os lados. O último partiu do deputado federal e tetracampão Romário. ( JB)







terça-feira, 24 de abril de 2012

Delta e Governo do Rio.

Deputada denuncia ao MP que Delta recebeu R$ 230 milhões sem licitação no Rio


A deputada estadual Janira Rocha (Psol-RJ) enviou nesta terça-feira (24/04) um ofício ao Ministério Público pedindo a investigação dos contratos da construtora Delta com o governo do estado do Rio de Janeiro. A empresa, investigada por ligações com o contraventor Carlinhos Cachoeira, é uma das mais beneficiadas por licitações no governo de Sérgio Cabral (PMDB-RJ). Coincidentemente, o governador e o dono da construtora, Fernando Cavendish, são amigos pessoais.

De acordo com a parlamentar, a empreiteira recebeu R$ 992 milhões nos dois mandatos de Cabral. Do total, R$ 230 milhões foram contratados sem licitação. Já com a prefeitura do Rio, a Delta tem contratos no valor de R$ 450 milhões. ( JB)



segunda-feira, 23 de abril de 2012

Oposição quer saber se Cachoeira financiou campanha de Lula.


Incentivador da CPI do Cachoeira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode virar um dos focos da comissão de inquérito.

A oposição tirou da gaveta depoimento do advogado Rogério Buratti à CPI dos Bingos, em 2005, no qual ele diz que em parceria com "empresários dos jogos" do Rio de São Paulo, Carlinhos Cachoeira teria dado R$ 1 milhão de caixa dois para campanha de Lula em 2002.

A comissão deve ser criada hoje e terá maioria governista, com votos suficientes para barrar os planos da oposição. Diz o texto da CPI dos Bingos: "Rogério Tadeu Buratti afirmou de maneira firme e clara que o senhor Waldomiro Diniz, representando José Dirceu, arrecadou dinheiro de 'bingueiros' no Estado do Rio de Janeiro, e ainda da Gtech e do empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e que o valor arrecadado por Waldomiro seria algo em torno de R$ 1 milhão."

No total, segundo o relatório, "empresas de jogos" irrigaram "a campanha do presidente Lula e o PT" com R$ 2 milhões de reais. "Os recursos transitaram pelo comitê financeiro da campanha." .

Buratti foi secretário do ex-ministro Antonio Palocci na prefeitura de Ribeirão Preto (SP). Waldomiro Diniz, citado por ele, era braço direito do então ministro José Dirceu, que coordenou a campanha de Lula em 2002.

O ex-senador Efraim Morais (DEM-PB), relator da CPI dos Bingos, disse que a investigação dessa denúncia não foi aprofundada na época porque houve uma manobra governista que impediu a quebra de sigilos bancários.

Assessor do ex-presidente Lula, Paulo Okamoto, disse à Folha que a oposição tem que convocar outro ex-ministro, José Dirceu, para explicar a declaração, e não o Lula. "Se o Buratti está dizendo que recebeu o dinheiro tem que chamar o Buratti, o Cachoeira, o Zé Dirceu."

"O Lula queria tanto a CPI que pode até ser sorteado com um depoimento para explicar o dinheiro do Cachoeira na sua campanha", afirmou o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR).

"Teremos o vale a pena ver de novo. Se o propósito dessa CPI era atingir as oposições ou criar uma névoa sobre o julgamento do mensalão o tiro pode sair pela culatra", complementou o líder do PSDB, deputado Bruno Araújo (PE).

Buratti, que mora hoje na Itália, não foi localizado pela Folha. Ele foi investigado pela CPI dos Bingos devido a sua ligação com a Gtech, empresa que a CEF (Caixa Econômica Federal) tinha contrato para operar as loterias.

sábado, 21 de abril de 2012

Obra e criação do PT e de Lula - o MENSÃLÃO - na mira do povo brasileiro. Até que enfim!!!!




Protestos em cidades brasileiras pedem o julgamento do mensalão


Maior marcha aconteceu em Brasília, onde, segundo cálculos da Polícia Militar, cerca de 3 mil pessoas vestidas de preto

.Milhares de pessoas foram às ruas neste sábado em 80 cidades do Brasil para pedir rapidez no julgamento do caso mensalão ocorrido no governo Lula em 2005 e que está a ponto de prescrever.
O principal objetivo das manifestações é pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) que julgue o mais rápido possível o caso que investiga os subornos feitos a dezenas de deputados em 2004 e 2005 e o suposto financiamento ilegal da campanha eleitoral que levou Lula ao poder em 2003.

Os manifestantes também pedem ficha limpa para todos os ocupantes de cargos públicos, o fim do voto secreto no Congresso e a transformação da corrupção em crime hediondo.
A maior marcha aconteceu em Brasília, onde, segundo cálculos da Polícia Militar, cerca de 3 mil pessoas vestidas de preto se concentraram na esplanada dos Ministérios. Em menor número, houve protestos na maioria das 27 capitais do país, segundo dados dos organizadores.

O presidente do Supremo, o ministro Ayres Britto, afirmou nesta semana que pretende concluir o julgamento nos próximos meses, antes das eleições municipais de outubro.

Brasília e Rio de Janeiro saíram na frente em suas manifestações em prol do julgamento do mensalão. Enquanto na capital federal o tempo ajuda, com sol aberto, no Rio, a cor cinzenta do céu afasta as pessoas da orla carioca, local dos protestos.

Eram mais de 10 horas quando manifestantes começaram a se aglomerar no gramado da Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Segundo cálculos da Polícia Militar (PM), cerca de 1 500 pessoas participaram da concentração.

O número de participantes, porém, ficou bem abaixo da expectativa de 20 000 pessoas feita pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), uma das organizadoras do protesto.O contingente de pessoas aumentou e ganhou novos adepos quando o grupo passou a se movimentar em direção à Praça dos Três Poderes e, segundo a PM, chegou a 3 000 pessoas.

No final do protesto, já na Praça dos Três Poderes, os manifestantes cantaram o Hino Nacional e encerraram o evento. Chama atenção a baixa faixa etária dos participantes. Segundo a reportagem do site de VEJA, jovens universitários ou mesmo do ensino médio, trajando roupas pretas, compõem a maioria do grupo de manifestantes. Questionado se o apartidarismo do protesto poderia minar sua eficácia, Rafael Baianuk, estudante de 22 anos, afirmou: “Nosso mecanismo é fazer pressão para que eles [congressistas] mudem. Não é um apartidarismo passivo.”

Além da exigência do julgamento do processo do mensalão ainda esse ano, faixas e palavras de ordem também pedem Ficha Limpa para todos os poderes e fim do voto secreto no Congresso. As pautas de reinvindicações locais pedem Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do governador Agnelo Queiroz (PT-DF) e melhorias no sistema de saúde pública, um dos problemas crônicos do Distrito Federal.

Rio de Janeiro – Aglomerados em frente ao Posto 9, na praia da Ipanema, o grupo de manifestantes conta com um carro de som para amplificar palavras de ordem e angariar assinaturas para um abaixo-assinado pelo julgamento do mensalão.
Com o tempo ruim, os cariocas preferiram viajar ou ficar em suas casas. Com isso, o protesto do Rio foi esvaziado. Por volta das 11 horas, pouco pais de 60 pessoas estavam participando da manifestação e o abaixo-assinado contava com cerca de 400 assinaturas – a maioria delas de indivíduos que passavam no local.

No chão, perto do local onde as pessoas se concentravam, havia uma pintura com os dizeres “SOS STF”, em alusão ao julgamento do mensalão. Com uma faixa – “CPI do Cachoeira: Ampla, Geral e Irrestrita” – manifestantes pedem rigor na apuração dos escândalos.

Os movimentos civis anticorrupção – muitos deles organizados nas redes sociais on-line – que realizam as manifestações pelo Brasil neste sábado já defenderam em seus protestos causas como a aprovação da Lei da Ficha Limpa, que entrou em vigor no começo deste ano.( Veja )

Chega de PT / PMDB / PDT/PP /PRB e outros coligados com Lula , Dilma , Sarney , Cabral , Eduardo Paes , Cavendish ( Delta) , Cachoeira , Eike Batista( Empresas X),Michel Temer e outros que aumentaram a corrupção no Brasil em todos os segmentos. Vamos virar essa página. OUTUBRO VEM AÍ. Eles têm que levar uma lavagem nas urnas. Analise em quem votar para Vereador e Prefeito.

Fiquem ligados que outros escândalos aparecerão contra essa gente perversa.

Médicos reprovados ! O perigo mora ao lado...



Aonde vamos parar ....

O PERIGO MORA AO LADO !!!

A SOCIEDADE PRECISA SABER!!!

Os resultados do projeto-piloto criado pelos Ministérios da Saúde e da Educação para validar diplomas de médicos formados no exterior confirmaram os temores das associações médicas brasileiras.

Dos 628 profissionais que se inscreveram para os exames de proficiência e habilitação, 626 foram reprovados e apenas 2 conseguiram autorização para clinicar.

A maioria dos candidatos se formou em faculdades argentinas, bolivianas e, principalmente, cubanas.
As escolas bolivianas e argentinas de medicina são particulares e osbrasileiros que as procuram geralmente não conseguiram ser aprovados nos disputados vestibulares das universidades federais e confessionais do País.

As faculdades cubanas, a mais conhecida é a - Escola Latino-Americana de Medicina (Elam) de Havana -
são estatais e seus alunos são escolhidos não por mérito, mas por afinidade ideológica.

Os brasileiros que nelas estudam não se submeteram a um processo seletivo, tendo sido indicados por movimentos sociais, organizações não governamentais e partidos políticos. Dos 160 brasileiros que obtiveram diploma numa faculdade cubana de medicina, entre 1999 e 2007, 26 foram indicados pelo Movimento dos Sem-Terra (MST).Entre 2007 e 2008, organizações indígenas enviaram para lá 36 jovens índios.
Desde que o PT, o PC do B e o MST passaram a pressionar o governo Lula para facilitar o reconhecimento de diplomas cubanos, o Conselho Federal de Medicina e a Associação Médica Brasileira têm denunciado a má qualidade da maioria das faculdades de medicina da América Latina, alertando que os médicos por elas diplomados não teriam condições de exercer a medicina no País.

As entidades médicas brasileiras também lembram que, dos 298 brasileiros que se formaram na Elam, entre 2005 e 2009, só 25 conseguiram reconhecer o diploma no Brasil e regularizar sua situação profissional.

Por isso, o PT, o PC do B e o MST optaram por defender o reconhecimento automático do diploma, sem precisar passar por exames de habilitação profissional - o que foi vetado pelo Conselho Federal de Medicina e pela Associação Médica Brasileira.

Para as duas entidades, as faculdades de medicina de Cuba, da Bolívia e do interior da Argentina teriam currículos ultrapassados, estariam tecnologicamente defasadas e não contariam com professores qualificados. Em resposta, o PT, o PC do B e o MST recorreram a argumentos ideológicos, alegando que o modelo cubano de ensino médico valorizaria a medicina preventiva, voltada mais para a prevenção de doenças entre a população de baixa renda do que para a medicina curativa.

No marketing político cubano, os médicos "curativos" teriam interesse apenas em atender a população dos grandes centros urbanos, não se preocupando com a saúde das chamadas "classes populares". Entre 2006 e 2007, a Comissão de Relações Exteriores da Câmara chegou a aprovar um projeto preparado  pelas chancelarias do Brasil e de Cuba, permitindo a equivalência automática dos diplomas de medicina expedidos nos dois países, mas os líderes governistas não o levaram a plenário, temendo uma derrota.

No ano seguinte, depois de uma viagem a Havana, o ex-presidente Lula pediu uma "solução" para o caso aos Ministérios da Educação e da Saúde. E, em 2009, governo e entidades médicas negociaram o projeto-piloto que foi testado em 2010. Ele prevê uma prova de validação uniforme, preparada pelo Instituto e Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais do MEC, e aplicada por todas as universidades.

Por causa do desempenho desastroso dos médicos formados no exterior,o governo - mais uma vez cedendo a pressões políticas e partidárias – pretende modificar a prova de validação, sob o pretexto de "promover ajustes".

As entidades médicas já perceberam a manobra e afirmam que não faz sentido reduzir o rigor dos exames de proficiência e habilitação.

Custa crer que setores do MEC continuem insistindo em pôr a ideologia na frente da competência profissional, quando estão em jogo a saúde e a vida de pessoas. ( Dr Armindo Fernando )











Operação asfalto liso é uma piada

Em Madureira , na Rua Américo Braziliense , desde que foi colocada uma fina camada de asfalto , apelidada , eleitoralmente  pela prefeitura do Rio , como Operação asfalto liso , um buraco complica a vida dos motoristas. Essa é a chamada prefeitura sempre presente.Isso é uma piada de mau gosto. Em outras vias , o tal asfalto já apresenta buracos maiores , o meio fio desapareceu , e há retenção de água nas vias , por causa do entupimento das redes de águas pluvuiais



Posted by Picasa

Empresa Delta , cujo dono é amigo íntimo dos governantes do Rio abandona obra do Maracanã.



Delta deixa consórcio responsável pela reforma do Maracanã


Construtora é investigada pela PF por supostas relação com bicheiro preso.A Empresa argumentou que não tem condições financeiras para continuar.

A construtora Delta decidiu deixar o consórcio Maracanâ 2014, responsável pela reforma, para a Copa do Mundo, do estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

A empresa é investigada pela Polícia Federal por supostos vínculos com o bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso em fevereiro na Operação Monte Carlo, da PF. Ele é apontado como chefe de uma quadrilha que explorava o jogo ilegal em Goiás.

A empresa alegou falta de condições financeiras para continuar integrando o consórcio responsável pela obra do Maracanã, orçada em R$ 859 milhões.( G1)

sexta-feira, 20 de abril de 2012

PMs do Batalhão de Choque são acusados de estupro na Rocinha.

PMs do Batalhão de Choque são acusados de estupro na Rocinha


Quatro policiais militares do Batalhão de Choque (BPChq), que participam da Força de Pacificação da Favela da Rocinha, em São Conrado, na Zona Sul da cidade, são acusados de estuprar uma mulher. A investigação é da 14ª DP (Leblon), onde a vítima prestou depoimento e foi submetida a exame de corpo de delito.
Com base no resultado da apuração inicial, o delegado Gilberto Ribeiro pediu à Justiça a prisão dos PMs. A Corregedoria Geral Unificada (CGU) também investiga o caso.

Um policial civil foi detido, na manhã da última terça-feira, por agentes da 2ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM). Ele estava com uma espingarda calibre 12 registrada em nome do PM Frank Cimar Barbosa de Oliveira Souza, suspeito de estuprar uma jovem de 21 anos em Campo Grande, na Zona Oeste.O cabo Frank Cimar, 39 anos, é lotado no quartel da Ilha do Governador

De acordo com a polícia, os agentes investigavam um estacionamento que pertenceria a Frank Cimar, em Campo Grande. Neste momento, o policial civil chegou ao local e se juntou a um sobrinho do cabo Frank Cimar. Ele teve o carro revistado e os PMs encontraram a espingarda. De acordo com a Polícia Civil, o caso está sendo investigado.



quinta-feira, 19 de abril de 2012

Carlinhos Cachoeira foi vítima de um mal-entendido.



O “empresário da contravenção” (como foi apresentado na Voz do Brasil) foi às compras em Brasília e, ao que se saiba, pagou tudo o que consumiu. Ninguém se sentiu lesado por ele, não se ouviu uma só voz reclamando de calote. É legítimo concluir, portanto, que as belas cifras entoadas nas escutas telefônicas tenham chegado direitinho aos destinatários. Por que, então, perseguir esse homem?

Antigamente, comprar deputados e senadores era ilegal. Mas os tempos mudaram, e só o advogado de Cachoeira não viu. Márcio Thomaz Bastos, o ex-ministro da Justiça, insiste em pedir habeas corpus para o cliente, preso no Rio Grande do Norte, alegando que ele não tem antecedentes criminais. Perda de tempo. Assim como o ex-ministro pode ser muito bem pago com o dinheiro sujo do bicheiro, Demóstenes Torres e companhia podem privatizar seus mandatos à vontade para servir ao “empresário da contravenção”.

Esse caminho foi aberto justamente pelo governo ao qual Thomaz Bastos serviu. Comparado ao esquema das mesadas para deputados, que ficou conhecido como mensalão, a engrenagem de Cachoeira é brinquedo de criança. A boa notícia para o mercado de compra e venda de parlamentares é que, sete anos depois do mensalão, ninguém foi punido.

Por que o ex-ético Demóstenes e seu patrocinador caça-níqueis vão se constranger, com tantos mensaleiros à solta, vagando por Brasília e lhes dando bom dia de cara limpa? Acusado de chefiar a quadrilha, José Dirceu manda e desmanda no governo da companheira de armas Dilma Rousseff – que o prestigia publicamente, em eventos apoteóticos do partido. Diante disso, que mal haverá em acolher no gabinete um bicheiro de estimação?

Num erro imperdoável para grandes advogados, os defensores de Cachoeira e Demóstenes não atentaram para a jurisprudência: comprar parlamentares, desde que por uma causa popular e progressista, é legítimo. E não vale a ressalva de que o mensalão será um dia, quem sabe, julgado. O processo do mais grave escândalo da história da República foi travado politicamente na Justiça brasileira, atravessando três eleições (indo agora para a quarta), o que garantiu a sobrevivência de seus protagonistas e do projeto de poder do PT. Na prática, a absolvição já se deu. O crime compensou.

Só faltam um projeto de lei criando o Bolsa-Bingo e outro criando cotas para mulheres nas fábricas de caça-níqueis O que o senador e o bicheiro farão para provar que sua causa também é popular e progressista é problema deles. Mas não será difícil. A conexão Dirceu-Delúbio-Valério, com o apoio dos bancos BMG e Rural, criou um duto das empresas estatais para os cofres partidários. Se isso não tirou o status progressista do governo popular, até a jogatina pode ser de esquerda. Aí só será preciso um mínimo de criatividade por parte do contraventor e de seu representante no Congresso: um projeto de lei criando o Bolsa-Bingo, outro instituindo cotas para mulheres nas fábricas de caça-níqueis e, mais importante de tudo, uma choradinha em público, que no Brasil não tem erro.

Os éticos, ou pelo menos os ex-éticos, não haverão de admitir a condenação do senador e do bicheiro por um crime que o mensalão revogou. Desde 2005, a posição da corte suprema foi clara sobre esse caso: dos discursos inflamados de Nelson Jobim, então ministro do Supremo Tribunal Federal, em defesa de José Dirceu, ao pronunciamento em dezembro último do revisor do processo, Ricardo Lewandowski, sobre a possibilidade de parte dos réus nem sequer vir a ser julgada: “Não há dúvida nenhuma de que poderá ocorrer a prescrição (dos crimes)”.

Após sete anos de trabalho cuidadoso da Justiça, às vésperas de mais uma eleição e da extinção dos processos, o revisor do caso informa sobre a perspectiva de julgamento do mensalão: “Não tenho uma previsão clara”. Tradução: a anistia aos parlamentares comprados (ou alugados) e seus contratantes vai muito bem, obrigado. A diferença para o caso Cachoeira é que o contratante é “empresário da contravenção”, enquanto no mensalão os contratantes eram, por assim dizer, “servidores públicos da contravenção”. Os contratados não ligariam para essa diferença.

O Brasil tem duas opções: ou se manca e sai às ruas contra o arquivamento do mensalão ou aceita de uma vez por todas ser governado pelos companheiros da contravenção. ( Época , 19/4/2012 )





quarta-feira, 18 de abril de 2012

As lambanças de Cachoeira e da Delta que "pegaram " Demóstenes chegaram ao Rio e atingiram Cabral ?



Depois de atingir Demóstenes , "Cachoeira" desemboca no Rio e atinge Cabral ?

TCU investiga repasse de verba do governo do Rio para construtora Delta.

Após a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, ter anunciado na última sexta-feira a abertura de investigações sobre as denúncias envolvendo a Delta Construções, empreiteira número um do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e citada nos grampos da Operação Monte Carlo da Polícia Federal, o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Ministério Público Federal também investigam irregularidades do governo do Rio de Janeiro no repasse de verbas para a reconstrução da Região Serrana, depois das chuvas do ano passado.

Segundo as denúncias, o governo Sérgio Cabral destinou R$ 27,4 milhões a um grupo de empresas que atuaram na recuperação da Região Serrana, e cerca de 17% foram repassados para a Delta Construções. Os contratos foram fechados em caráter de emergência, sem licitação. A Delta ficou com R$ 4,7 milhões, seguida da Carioca Christian, com R$ 3,8 milhões.

O Tribunal de Contas da União já confirmou a existência de irregularidades: os recursos teriam sido repassados para as empresas antes de os contratos serem formalizados. O estado nega qualquer irregularidade.

O primeiro lote de recursos foi repassado pelo Ministério da Integração Nacional para contas do governo estadual e de sete municípios da Região Serrana atingidos. Foram R$ 70 milhões para o estado e R$ 30 milhões diretamente para os municípios.

Somente em 2011, a Delta recebeu do governo federal verba superior a R$ 884 milhões. De 2003 a 2011, o volume de recursos para a empreiteira cresceu 1.417%. Este ano, os cofres da União já desembolsaram mais de R$ 150 milhões.

Os tentáculos da Delta se estendem a todo o país, particularmente no Rio de Janeiro. Segundo o Sistema Integrado de Administração Financeira para Estados e Municípios (Siafem), em 2010, ano em que o governador Sérgio Cabral foi eleito, a empresa recebeu R$ 554,8 milhões, sendo R$ 127,3 milhões (22%) sem licitação.

No ano seguinte, a Delta foi contemplada com mais R$ 358,5 milhões, sendo R$ 72,7 milhões (20%) sem passar por concorrência pública. E este ano, já são R$ 138,4 milhões empenhados.

Em junho do ano passado, um acidente de helicóptero que matou sete pessoas, entre elas a namorada do filho de Sérgio Cabral, em Trancoso, na Bahia, acabou por trazer à tona as estreitas ligações do governador do Rio com o empresário Fernando Cavendish, dono da construtora Delta, empreiteira responsável pela reforma do Maracanã (em associação com a Odebrecht e a Andrade Gutierrez).

Cabral viajou à Bahia a bordo de um jatinho cedido pelo empresário Eike Batista. Antes do acidente, o governador almoçou com Cavendish, a família dele e os convidados no Villa Vignoble Terravista Resort, em Trancoso. De lá, o grupo começou a ser levado de helicóptero para o Jacumã Ocean Resort, a 15 km. Como eram muitas pessoas, foi preciso fazer mais de uma viagem. O acidente aconteceu com o segundo grupo, quando chovia e havia forte neblina.

Depois do escândalo vir à tona, Cabral anunciou a criação de uma Comissão de Ética para avaliar a conduta da gestão pública do Estado. Essa comissão foi realmente criada, mas a nomeação de pessoas próximas do governador para integrar esse órgão, coloca em xeque a sua independência, segundo avaliou o deputado Paulo Ramos. "Como uma Comissão formada por integrantes do governo, que devem obediência ao governador, terá independência para investigar atos do próprio governador?", indagou o deputado, que vê na comissão "uma tentativa de enganar a população e gastar mais dinheiro público sem que haja nenhum retorno". A comissão de Ética da Alta Administração é presidida por Regis Fichtner, chefe da Casa Civil e tesoureiro da campanha de Sérgio Cabral em 2002.( trecho JB)

Se aprofundarem as investigações , vão pegar prefeitos...É só esperar...







O homem , quando usa animais para se divertir ou ganhar dinheiro , sacrificando-os , é um IMBECIL !



18/04/2012 - 07h15
Cidade do México estuda proibir as touradas

Defensores e detratores das touradas travam na capital mexicana sua última batalha, depois que uma comissão da Assembleia Legislativa da cidade aprovou uma votação sobre a proibição deste controvertido espetáculo. "Se o proíbem deixam sem trabalho cinco mil pessoas com emprego direto e outro número similar com emprego indireto", argumentou o promotor da Monumental Plaza México, Juan Castañeda.

Inaugurada no dia 5 de fevereiro de 1946, a construção é o símbolo mais representativo do enraizado fervor pelas touradas no país, onde calcula-se que existam 22 escolas de toureio. "A finalidade do touro de lida é estar nas corridas, senão essa espécie desapareceria, porque para obter carne já temos os animais mansos", continuou Castañeda junto às escadarias da maior praça de touros do mundo, com capacidade para 40 mil pessoas.

Em março passado, uma comissão da Assembleia Legislativa da Cidade do México aprovou um projeto de lei que proíbe as touradas nesta cidade, com três votos a favor e duas abstenções. A iniciativa, que deverá ser levada ao plenário da Assembleia antes que conclua o atual período de sessões, no próximo dia 30 de abril, pretende modificar o artigo 42 da lei para a realização de espetáculos públicos.
          Vista da Monumental Plaza México, onde são organizadas touradas na Cidade do México

"Afinal de contas, quem gostar pode vir; quem não gostar, não precisa sair de casa", sugeriu Castañeda com tom firme, consciente de que a fascinação pelas touradas na Cidade do México é menor que em outras regiões do país.

Castañeda insistiu que não se trata de um espetáculo violento que possa causar problemas de agressividade em seus espectadores. "Até agora não houve nenhum toureiro que, por dedicar-se a isso, tenha matado alguém", comentou.

Opinião bem diferente da responsável de Mariana Boy, do Partido Verde Ecologista do México (PVEM), que considera que, além dos maus-tratos aos animais, as touradas devem ser proibidas por suas consequências sociais e psicológicas.

"Está comprovado que o fato de ser espectador deste tipo de eventos insensibiliza as pessoas em termos de maus-tratos aos animais e também se tornam mais propensas a estarem em situação de maus-tratos infantil ou de gênero", declarou.

O partido de Mariana Boy é um dos impulsores da proibição das touradas, junto a membros do Partido da Revolução Democrática (PRD) e do Partido Revolucionário Institucional (PRI); mas o tema causa tanta controvérsia que também existem divergências internas.


Ativistas protestam contra as touradas na Cidade do México; cidade estuda proibir as competições

Durante décadas, o México foi berço do toureio espanhol, um lugar aonde chegavam jovens toureiros que por serem menores de 16 anos não podiam atuar na Espanha. Um deles, Julián López, mais conhecido como "El Juli", reconhece o México como "sua segunda casa".

"Vemos todos os dias na televisão, nos telejornais, nos desenhos uma violência brutal, não acho que, psicologicamente, uma criança ou um adulto se torne violento por ver uma tourada", opinou "El Juli".

Segundo o toureiro, proibir este espetáculo na capital mexicana seria "dar as costas a anos de história, tradição, cultura e a todos os toureiros que levaram o nome do México pelo mundo".

De uma perspectiva econômica, o matador de touro e representante de uma associação nacional da classe, Antonio Urrutia, alegou que proibir a festa aumentaria o desemprego na cidade.

O debate sobre a proibição ou não das touradas no México não é novo, como lembrou a ex-diretora do emblemático zoológico de Chapultepec, María Elena Hoyo.

Desde os anos 70, María Elena combate as touradas, pois afirma que se trata de um espetáculo "primitivo" e "selvagem", que só é permitido em oito países e que, segundo sua opinião, está com os dias contados. "Sinto que os jovens hoje em dia desprezam esse tipo de espetáculo e respondem a isso com sua ausência nas touradas. É uma tradição que já tem os dias contados, vai morrer de inanição", previu. ( Folha )

BRS na Presidente Vargas causou um inferno no trânsito.


Ônibus fazem até fila tripla e ignoram faixas seletivas no primeiro dia do BRS nas pistas laterais da Presidente Vargas.

Confusão com a distância dos pontos e falta de informação aos passageiros marcaram o primeiro dia de funcionamento do sistema de corredores exclusivos para ônibus nas pistas laterais da Avenida Presidente Vargas, no Centro. Não bastasse, a segunda fase do projeto na avenida — que já funciona com o sistema de faixas seletivas desde o dia 6 de março nas pistas centrais — teve novos problemas. Embora as faixas disponibilizadas para os coletivos sejam apenas duas, os veículos paravam — quando isso acontecia — em fila tripla para poder embarcar mais passageiros.

Adilson dos Santos já estava há mais de meia hora em um ponto, próximo à Central do Brasil, quando conseguiu avistar seu ônibus. O vendedor chegou a fazer sinal e correr atrás do veículo, que passou direto pelo ponto de ônibus.
— Os motoristas já tinham esse hábito de passar direto, mas, agora, com esse sistema novo, é que eles não param mais no ponto mesmo — reclamou Adilson.

Maria Elaine passou pelo mesmo problema. Esperando ônibus para São Gonçalo, a aposentada de 60 anos até conseguiu chegar ao ponto certo, mas precisou se arriscar entre os carros para tentar embarcar, sem conseguir.

— Acabei de descobrir que mudou o ponto do meu ônibus — disse Maria, inconformada, acrescentando: — Agora para conseguir entrar tenho que ficar correndo no meio da rua. Isso é um problema grande para os cadeirantes e para nós que somos idosos.

A distância entre os pontos antigos e os novos ainda é uma das principais reclamações entre os usuários. Os idosos são os mais afetados.

— Agora isso aqui está uma correria, uma confusão. Tenho 66 anos e preciso ficar andando para esse ponto novo que é muito mais longe — afirmou Zélia de Lima.

Segundo a Secretaria municipal de Transportes, os ônibus que não respeitarem as regras serão multados em R$ 85,13. Já para os veículos que invadirem a pista seletiva, a penalidade é de R$ 53,20.

Maria Elaine do Nascimento segura um folheto com a nova localização dos pontos de ônibus do BRS Foto: Nina Lima

Para passageiros, poucos agentes nas ruas.

Mesmo com a experiência de implantação há 40 dias do sistema de faixas exclusivas para ônibus nas pistas centrais da Presidente Vargas, passageiros ainda sofrem com a desordem nas paradas dos ônibus e, principalmente, com a falta de informações sobre os novos pontos no corredor do Centro.

E as reclamações continuaram mesmo com o planejamento da Secretaria municipal de Transportes, que disponibilizou orientadores e agentes de trânsito, além dos 80 operadores da CET-Rio. No trecho próximo à Central do Brasil, com grande movimentação de passageiros, apenas um agente foi encontrado durante a tarde. E, mesmo assim, passou despercebido por muitas usuários, que não sabiam como buscar informações sobre o novo BRS.

— Só soube que mudou quando vi meu ônibus passando direto. Além de trabalhar em pé o dia todo, tenho que correr atrás de novo ponto — disse Margarida Maria Braz, doméstica.

Gabriela Costa descobriu o novo ponto da mesma forma e ainda teve que ajudar outras pessoas que precisavam de orientação.— Fiquei ajudando pessoas que estavam tão perdidas quanto eu. Nossa referência era um carrinho de pipoca — afirmou Gabriela. ( Extra)